sábado, 16 de novembro de 2013

Living kind of sucks right now.

Há alguns meses que eu estou tentando fugir do mundo. Escapar da realidade. E simplesmente ignorar tudo ao meu redor.

Quanto mais eu tento escapar, pior fica a situação.

Essa semana, estou sendo forçada a encarar a realidade e colocar toda a minha vida em caixas, de novo. Eu não me importaria com um recomeço, mas colocar tudo em caixas para em caixas tudo ficar é mais do que eu possa suportar agora.

Quase ninguém entende isso. Quase ninguém consegue compreender o tanto que eu me sinto sufocada nesse exato momento. A questão não é morar na casa dos meus pais, nem dividir a casa com meu irmão, nem a questão da liberdade ou da privacidade. Não é nada disso. Eu sei que sou livre pra fazer o que quero e eu posso fechar a porta do quarto e pronto-acabou.

Meu armário de cozinha vai ser desmontado e guardado. Minhas panelas, meus copos, meus pratos; minhas toalhas de mesa; minhas toalhas de banho; meu capacho de entrada; os panos de chão, os produtos de limpeza, a droga da vassoura, o rodo, tudo... vai ser tudo diluído, misturado e sumir ou então ficar guardado por sabe-se lá quanto tempo, pois quem é que sabe o dia de amanhã?

Eu não sei, mesmo o dia de amanhã. Mas o hoje eu sei, e está sendo muito difícil pra mim.

É como se ele tivesse acabado com literalmente tudo: não apenas nosso relacionamento, nosso casamento, mas também toda a minha identidade, a minha casa, e tudo o que eu tentei construir nos últimos dois anos. Foi tudo embora junto com ele.

Eu sei que eu estou num emprego maravilhoso e tenho amigos que estão me dando o maior apoio. Minha família tem sido maravilhosa com manifestações de apoio e eu sei que estão todos torcendo pelo meu melhor. Eu também sei que vou sobreviver a isso tudo.

Mas minha casa era meu lar, meu triunfo, meu casulo, meu pequeno refúgio. Desde que ele foi embora, tem sido tão bom saber que eu vou chegar em casa e vai estar tudo bem. O silêncio era meu melhor amigo. Eu me sentia segura e independente e feliz.

Não que eu não vá mais me sentir assim. Mas dizer adeus a esperança de um sonho é tão doído. Eu me apaixonei pelo apartamento. Eu precisava tanto de uma vitória, de uma realização de um sonho, de um dislumbre da felicidade. Queria sentir que eu podia sim vencer esse ano. Que não importava o tanto que foi ruim até agora, que ia terminar bem.

Mais uma vez, tudo ruiu. Me vi enfrentando a decepção de novo.

Eu já não espero mais nada desse ano, a não ser que ele acabe. E que venha 2014. Pior que 2013 não vai ser.

2 comentários:

Lívia disse...

Quanto tempo não vinha aqui. E eu pude sentir essa tristeza. Como a decepção é ruim...
Deus te agracie como só ele pode! Bjos

Rosane W disse...

I'm sorry honey... Hang in there, don't give up and don't settle, look for another apartment, another sanctuary. I can't imagine how hard this time must be... It'll work out sooner than you think. Love you.